segunda-feira , 20 novembro 2017
Home / Destaque / Alunos de Escola Técnica visitam confinamento na Primo 1 em Barra do Bugres
SAMSUNG CAMERA PICTURES

Alunos de Escola Técnica visitam confinamento na Primo 1 em Barra do Bugres

Postado em: 27/08/2017

Alunos da Escola Técnica Estadual de Tangará da Serra (ETE/Secitec) visitaram no último sábado (19.08) uma fazenda de confinamento de bovinos para corte, em Barra do Bugres. O objetivo foi conhecer a automatização e o sistema de manejo adotado na propriedade.

Sob coordenação dos professores José Valdeci Cardoso e Felipe Chaves Gonçalves, os cerca de 20 estudantes representaram os cursos de Manutenção e Suporte em Informática e Técnico em Agropecuária, A visita ocorreu na Fazenda Primo I, do produtor rural Primo Menegalli, localizada há cerca de 20 quilômetros do perímetro urbano de Barra do Bugres, proximidades da Serra das Araras.

A fazenda tem mais de 3.000 hectares e opera na engorda de 10 mil bovinos da raça nelore para corte, com foco no mercado externo. O confinamento possui fábrica de ração com capacidade para produzir 30 toneladas/dia e é integralmente automatizado.

Os animais são adquiridos pela propriedade na região e confinados por um período mínimo de 90 dias, agrupados em 100 cabeças por piquete. No cocho, recebem um misto de farelo de soja, milho e caroço de algodão, acrescido de suplemento mineral com formulação exclusiva fornecido pela multinacional Nutron. Segundo a administração, o misto é servido no cocho quatro vezes ao dia, representando um ganho médio diário de 1,43 kg por animal.

O manejo é totalmente informatizado, incluindo o tráfego interno da fazenda, que é registrado através de sensores. O programa utilizado é o ‘Feed Manager’, software de gerenciamento de confinamentos de bovinos de corte focado no manejo, no controle dos tratos e na fabricação da ração, auxiliando no controle de custos, no estoque de alimentos e na elaboração de índices de desempenho técnico e financeiro.

O software capta os dados da alimentação dos animais e os envia a um computador instalado no escritório da fazenda, possibilitando o monitoramento da quantidade de comida no cocho, além de manter sempre a quantidade exata de alimentação necessária. O sistema auxilia, também, no controle das informações relacionadas aos insumos, como o tipo de dieta e o momento certo de oferecer cada ingrediente ao gado. O gerenciamento dos dados e informações asseguram agilidade, precisão e qualidade de gestão.

Segundo o produtor Primo Menegalli, a automação é uma exigência para a pecuária de precisão. “O nosso diferencial é a precisão e o êxito ao alcançar aquele padrão de carne exigido pelo comprador. O mercado é altamente competitivo, é exigente, e o produtor que não optar pela tecnologia e precisão fica pelo caminho, perde mercado tem prejuízos com uma gestão ineficiente e equivocada”, afirmou.

Para o professor José Valdeci Cardoso, a visita técnica foi de grande valia para os alunos dos cursos de Informática e de Agropecuária. “São experiências que agregam na formação dos nossos alunos. A propriedade é uma referência pelo sistema automatizado e pela sua atividade de pecuária de corte. Esta é uma das várias situações que estes alunos vão encontrar pela frente quando concluírem os seus cursos”, considerou o professor da ETE/Secitec.

Comente o que você achou da postagem