quinta-feira , 18 Janeiro 2018
Home / Destaque / Cirurgias oftalmológicas devolvem qualidade de vida e promovem reinserção social

Cirurgias oftalmológicas devolvem qualidade de vida e promovem reinserção social

(Last Updated On: 10/12/2017)

A longa espera de 10 anos por cirurgias de catarata nos dois olhos chegou ao fim nesse fim de semana para a aposentada Iraci da Silva Viana, moradora da comunidade São Francisco, em Rondonópolis. Iraci é uma das milhares de pessoas atendidas na Caravana da Transformação, realizada pelo Governo do Estado em Rondonópolis e que atende a moradores de 19 municípios da região Sul.

Para o ano que vem, a aposentada faz planos de voltar a estudar o ensino supletivo que teve de interromper por não conseguir enxergar. “A esperança voltou a ser luz para os meus olhos. O atendimento que recebi dos profissionais foi dez. É sinal que ainda tem uns que olham pra gente”, relatou Iraci Viana.

Em 13 minutos, a aposentada Nair Rodrigues Baum, 79 anos, moradora de Campo Verde, foi operada. O tempo recorde foi cronometrado pela filha dela, Ana, que disse estar maravilhada com a qualidade e rapidez do atendimento. Para Nair, voltar a enxergar foi o melhor presente de natal que já ganhou.

“Somos quatro filhos e já estávamos planejando custear a cirurgia em clínica particular. Chegamos a fazer o orçamento em Cuiabá; a operação em dois olhos custaria mais de oito mil reais, fora a consulta que custaria quatrocentos e oitenta reais. Quando soubemos da chegada da Caravana, corremos para agendar a nossa mãe. Na sexta-feira chegamos para a consulta e já ficamos sabendo que no mesmo dia ela seria operada. Ficamos surpresos com a agilidade do serviço, não imaginávamos que era desse jeito”, destacou Ana Baum.

Esses relatos são comuns entre os pacientes atendidos pela Caravana da Transformação.

“Esses resultados representam efetivamente a grande transformação social na vida dessas pessoas que há décadas foram privadas de terem uma vida social e familiar normal, por não enxergar. A ação tem promovido a integração dessas pessoas à sociedade e melhorado o convívio familiar. Somente a sociedade pode avaliar a importância da Caravana”, destacou Wagner Simplício, assessor especial do Gabinete Coletivo da Secretaria de Estado de Saúde.

A avaliação técnica relativa aos números de atendimentos na saúde é surpreendente e incontestável. De acordo com Simplício, a décima primeira edição da Caravana na região de Rondonópolis é a maior de todas e com uma dimensão social gigantesca.

Do dia 3 até o dia 9, ou seja, em uma semana, haviam sido realizados mais de 38 mil procedimentos de saúde (consultas, exames e cirurgias). “Os números demonstram que o governo, quando decidiu pelo projeto da Caravana, conhecia a necessidade desses cidadãos que estavam na lista de espera pela cirurgia oftalmológica; uma realidade social que não poderia e nem pode ser ignorada por um gestor público”, destaca o representante da SES.

A Caravana da Transformação tem como foco principal a saúde pública e gratuita ao cidadão. O investimento é 100% feito com recurso da receita própria do Estado. Além do investimento financeiro, o governo investe também com a parte técnica. Todos os procedimentos são criteriosamente analisados, avaliados e aprovados por técnicos da Vigilância em Saúde da SES/MT. O setor de regulação do SUS monitora o agendamento e, após autorizar, cada procedimento é lançado no sistema para fazer o custeio dos serviços de saúde, informou Simplício.

Nos dias 8 e 9, Wagner Simplício acompanhou a dinâmica de atendimento da empresa 20/20, contratada para realizar os serviços de oftalmologia; conversou com pacientes que aguardavam para cirurgia e os que já haviam sido operados, para avaliar o nível de satisfação; esteve reunido com a equipe técnica da SES/MT para analisar as tarefas de cada área e definir futuras adequações necessárias.

A Superintendente de Vigilância em Saúde, Maria de Lourdes Girardi, também participou da reunião. “Essas avaliações internas são uma rotina para que possamos melhorar cada vez mais a qualidade do serviço prestado à população e garantir segurança à saúde de todos”, afirmou a superintendente.

Na manhã deste sábado, Simplício acompanhou a visita do governador Pedro Taques aos estandes da Caravana e relembrou o esforço político e administrativo do Governo em manter e ampliar serviços para a região sul; destacando, por exemplo, o financiamento não-obrigatório de UTIs no Hospital Filantrópico da Santa Casa de Rondonópolis, mesmo sem habilitação desse serviço por parte do Ministério da Saúde e da própria Secretaria de Estado de Saúde.

“O Estado não conta com o apoio financeiro federal e mesmo assim custeia com recurso próprio o funcionamento das UTIs, além de pagar 150% a mais pelas diárias de internação do que é previsto na tabela nacional do SUS”, salientou.

“O governo fecha o ano com uma das maiores caravanas e em um polo aglutinador de grande dimensão populacional, tendo como carro-chefe a saúde 100% pública e gratuita aos moradores da região Sul do Estado. O usuário do Sistema Único de Saúde estadual tem um ganho social que é a qualidade de vida melhor e de reinserção, e esse diferencial não tem como medir, somente quem foi atendido e recuperou a sua visão e os seus familiares podem fazer essa avaliação”, concluiu Wagner Simplício.

A equipe técnica da SES/MT permanecerá na Caravana até a finalização dos atendimentos. O cronograma de trabalho prevê cirurgias até o dia 17 de dezembro e os atendimentos de pós-operatório de até trinta dias.

A rotina diária de trabalho dos servidores da saúde na caravana começa às 5 horas da madrugada e se estende até o último atendimento médico. Após o término da Caravana, o setor de fiscalização de contrato analisará os comprovantes de atendimentos para poder autorizar o pagamento dos serviços realizados pela empresa especializada contratada.

Comente o que você achou da postagem