quinta-feira , 18 Janeiro 2018
Home / Destaque / No Coração do Brasil; o absurdo e inacreditável que emocionam em histórias que eu não imaginava

No Coração do Brasil; o absurdo e inacreditável que emocionam em histórias que eu não imaginava

(Last Updated On: 10/01/2018)

Quem não gosta de aventuras? A maioria delas, para quem quiser sentir o gostinho, teria que desembolsar uma boa quantia em dinheiro para usufruir dessa ‘diversão’ aliada a adrenalina e ainda assim a coisa depende de uma série de fatores não garantidos.

Outra diversão garantida, trata-se da “viagem” na história de um bom livro. Ele te faz viver dentro dos contos. Isso, com pouco custo.

Uma dessas diversões está contida na segunda edição de “No Coração do Brasil”. Trata-se de um livro que mergulha a fundo em aventuras como casos supostamente ocorridos nesse Estado do ‘Mato Grosso de meu deus’ que foram narrados ao escritor por pessoas que conviveram com alguns personagens ou até vivenciaram certos momentos.

Manoel Carvalho – Escritor e Autor do livro.

Você ira trabalhar a sua mente quando estiver viajando nas histórias. A curiosidade com o final do conto mesclado com a admiração ao ser surpreendido com o que supostamente já ocorreu de tão absurdo em Mato Grosso.

Qualquer diretor ou produtor, ficaria louco para transferir esse livro para as telas. Se as letras, as palavras, as frases já te impõem um filme em sua mente, imagine o desdobramento desse livro quando em tela e movimento. Vibrante! Manoel Carvalho superou o óbvio e conseguiu o inimaginável, sem escorar no monótono.

O Sumário já prende sua atenção. Veja…

“No Coração do Brasil” conta a saga de Vasco Rudolf Heimtal, um brasileiro filho de imigrantes europeus, pai alemão e mãe portuguesa. Passa a infância e parte da juventude em Londrina, nos tempos áureos do café. Em 1950, com vinte e três anos de idade, migra para Cuiabá. 

Foto ilustrativa retrata um dos cenários do livro

Elelesai de Londrina para Corumbá no lombo de burro. Para fazer a travessia do pantanal viaja em chalana. O jovem fica deslumbrado com as belezas naturais que encontra naquele pedaço selvagem do Brasil. No caminho, conhece Mariana, a mulher de sua vida. Ela é enfermeira e noiva de Olavo, um médico filho de uma tradicional e poderosa família cuiabana. Forma-se um perigoso triângulo amoroso.

A natureza, os costumes e o sotaque peculiar do povo da baixada cuiabana é descrito com minúcias pelo autor.

Foto ilustrativa

O jovem aventureiro conhece em Cuiabá um mascate libanês, viaja com ele num carroção para os garimpos de Alto Paraguai. Fica indignado com a exploração sofrida pelos garimpeiros. Ele tenta mudar as regras do jogo, mas se vê obrigado a fugir para não morrer. Em sua sangrenta retirada é acoitado por quilombolas na Serra do Tira Sentido.

Transporte mais eficiente em certa fase da história – Foto ilustrativa.

Políticos corruptos e empresários inescrupulosos compram ou se apropriam de grandes áreas de terra da União. Vasco, topógrafo por profissão, é contratado por uma empresa para medir uma gleba nas margens do rio Arinos, onde se vê no meio de um conflito entre brancos e os índios canoeiros. Os índios Rikbaktsas o “convidam” para segui-los. Ele os ajuda a se defenderem de um ataque dos “civilizados”. Descobre segredos inconfessáveis sobre os desbravadores e seus métodos nada ortodoxos de conquista do sertão.

Após algum tempo, Vasco também compra um pedaço de chão na margem do rio Paraguai onde começa sua criação de gado.

Volta ao antigo quilombo agora abandonado, para tentar decifrar as pistas confiadas a ele pelo último quilombola.

Descendentes de escravos começam a persegui-lo desconfiados que ele encontrara o lendário tesouro do Doutor Assis, um abolicionista que comprava escravos com diamantes extraídos pelos quilombolas das jazidas da Serra do Tira Sentido e os alforriava.

O autor mescla muitos fatos reais com ficção, dando vida a acontecimentos esquecidos, desconhecidos, abafados ou suprimidos da história do Brasil. A violenta e desordenada ocupação do vasto território nacional, escorraçando índios, quilombolas, seringueiros, poaieiros e antigos moradores de áreas longínquas. A grilagem de terras, emboscadas, assassinatos, trabalho escravo, tudo em nome da ambição desmedida, agravada pela certeza da impunidade, inépcia da justiça e a tradição dos poderosos de se acharem acima da lei, desrespeitando o ser humano e ignorando o frágil equilíbrio da natureza e sua sustentabilidade.

Em paralelo, corre a história política e econômica do país, os anos dourados com a construção de Brasília, os anos de chumbo com a ditadura militar e o sofrido e caro reaprendizado da democracia até os dias de hoje.

Embora seja uma obra de entretenimento, ela é educativa, abrangendo problemas sociais, políticos, cultural e ambiental.

 

Por Marcos Parada com Assessoria

 

 

Comente o que você achou da postagem